top of page
  • Foto do escritorFrançois

Peido de véia

Os Estados Unidos esqueceram ontem as eleições para cuidarem de um novo e terrível perigo. Qual? O presidente Bolsonaro mandou um recado para o eleito, Joe Biden, curto e grosso.


Disse o nosso valente capitão de bravata, ou fragata, ou trotada, ou cagada, que se Biden insistir na Amazônia o assunto sai da saliva para a pólvora. Desse jeito. Logo depois, o general Heleno botou o colete à prova de cuspe, convocou os militares do exército, os das boquinhas nos cabides comissionados e os que receberam os auxílio emergencial, para iniciar a fase de preparação armada.


E como é a preparação? Todos mobilizados para juntar a pólvora guardada do São João, que não houve, e iniciar a fabricação de milhões, bilhões e trilhões de traques "peido de véia" para lutar contra os Estados Unidos. Vai acabar o estoque de pólvora que sobrou em Campina Grande, Caruaru e Mossoró.


De Rômulo Gurgel:

"Se o Exército brasileiro invadir os Estados Unidos, o que tiver lá de meio-fio vai ficar tudo branquinho. É a especialidade do nosso Exército: Pintar meio-fio".

54 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Povo e o fascismo pentecostal

Um milhão de pessoas na rua, numa manifestação, não é Povo. Nem dez milhões, nem cem milhões. É Massa. Merece respeito? Sim. Mas não é povo. Povo é o conjunto de todos de um país, cada um compreendido

Pequeno burguês de esquerda

Certa vez, um comentarista do Blog de Carlos Santos, pensando me agredir, chamou-me de ex-comunista. Eu respondi confirmando, para desencanto dele. Disse, na época, que concordava com a afirmação. E q

Desaforismos ao pé do chope.

I- Se em cada cabeça, uma sentença; em cada bunda, uma sentada. II- Tolstói disse que "certas pessoas ao entrarem numa floresta, só veem lenha para a fogueira". Hoje, muita gente olha para para a mu

bottom of page