top of page
  • Foto do escritorFrançois

Perdeu mais uma...

...Mané, manés. Sem dedos e sem anéis.


Hoje, num boteco da Praia do Meio, estavam todos acompanhando a eleição para a presidência do Senado. Boa surpresa, nem era jogo de futebol.


O país interessado na sua compleição política. Apostas, discussão, muita coisa falada sem que ninguém entendesse nada. Ninguém ouve a opinião do outro, cada um ouve a própria opinião. Os ouvidos são penicos para quem ouve as opiniões contrárias, pois todo o dito de opinião adversa é merda. E o ouvido, penico.


Assim é a discussão política. Havia um bolsonarista, já meio bêbado, gritando: "Vai dar marinho". E um petista dizia, "Tá mandando seu candidato ir dar"? E o outro respondia, "vai dar você".


Terminou a apuração, deu Pacheco. O petista sacaneou o amigo bolsonarista, informando: "Pronto, no Senado de Brasília o presidente é Pacheco". E continuou perguntando: "Onde fica o Senado presidido por Marinho"? Aí o amigo bolsonarista, meio cambaleando, arregalou os olhos e respondeu: "Na casa do carái".



65 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Kommentare


bottom of page