• François

Poema para Gibran

Não me interessa mais/

que horas são./


Nem quais são as orações/

de cada hora.


Não poderei dizer/ com Khalil Gibran/

que "ninguém nunca ouviu minha boca pronunciar uma oração"./


Muitas foram pronunciadas/

numa reza sem qualquer convicção./

Terços debulhados/ para salvar almas/

ou espantar fantasmas inexistentes./


Tudo perdido num relógio do sol,/

marcando a perda do tempo./


Mas se o tempo não se recupera/

a reza também não./

Fica tudo pronunciado/ na anunciação do desperdício,/

que é o destino da oração./


Gibran Khalil Gibran, "Jesus, o filho do homem:"/

"Vossos filhos vêm de vós, mas não são vossos".


Quanta oração jogada ao vento,/

e quanto vento a jogar orações/

no despenhadeiro de ouvidos moucos./


Não me interessa que horas são./

Nem qual seja a oração da hora certa./





56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que falta acontecer neste país brutalizado, estuprado e descido à condição de submundo do crime oficial. Crimes de Estado. Após chacina em favela do Rio, com aplausos de Bolsonaro, esse genocida cot

Qual a relação? Me veio à memória os tempos idos da Casa do Estudante. Lá cheguei vindo do Colégio Diocesano Seridoense, de Caicó. Caicó me abriu uma janela pro mundo, pelo CDS; a Casa do Estudante me

...da derrota de Bolsonaro. É Lula? Não. Lula sabe que nada está definido. Eleição e mineração só depois da apuração. Lição do velho pessedismo dos tempos saudosos do Brasil ingênuo e democrático. Inc