• François

Poema para Gibran

Não me interessa mais/

que horas são./


Nem quais são as orações/

de cada hora.


Não poderei dizer/ com Khalil Gibran/

que "ninguém nunca ouviu minha boca pronunciar uma oração"./


Muitas foram pronunciadas/

numa reza sem qualquer convicção./

Terços debulhados/ para salvar almas/

ou espantar fantasmas inexistentes./


Tudo perdido num relógio do sol,/

marcando a perda do tempo./


Mas se o tempo não se recupera/

a reza também não./

Fica tudo pronunciado/ na anunciação do desperdício,/

que é o destino da oração./


Gibran Khalil Gibran, "Jesus, o filho do homem:"/

"Vossos filhos vêm de vós, mas não são vossos".


Quanta oração jogada ao vento,/

e quanto vento a jogar orações/

no despenhadeiro de ouvidos moucos./


Não me interessa que horas são./

Nem qual seja a oração da hora certa./





55 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rifa macabra

Isso não é um governo. É uma rifa clandestina entre amigos e sicários da população, posto que dos atos e omissões o resultado foi a mais cruel mortandade populacional da história do Brasil. Amigos civ

As tripas de um país fecal

Cujo presidente dá um susto nos aliados ao ter interrompida a tripa cagaiteira. Pois pois, como diria um português de Lisboa. "Ô pá, lamento, mas se todo mundo morre um dia, como disse o próprio gajo,

Só Cagão? Não...

Azarão também. Cagou para a CPI e azarou a Seleção. Onde Bolsonaro põe a torcido o azar hospeda-se junto. Torceu pro Trump, Trump lascou-se. Torceu na eleição da Bolívia, a esquerda venceu. Torceu pel