top of page
  • Foto do escritorFrançois

Poema para Gibran

Não me interessa mais/

que horas são./


Nem quais são as orações/

de cada hora.


Não poderei dizer/ com Khalil Gibran/

que "ninguém nunca ouviu minha boca pronunciar uma oração"./


Muitas foram pronunciadas/

numa reza sem qualquer convicção./

Terços debulhados/ para salvar almas/

ou espantar fantasmas inexistentes./


Tudo perdido num relógio do sol,/

marcando a perda do tempo./


Mas se o tempo não se recupera/

a reza também não./

Fica tudo pronunciado/ na anunciação do desperdício,/

que é o destino da oração./


Gibran Khalil Gibran, "Jesus, o filho do homem:"/

"Vossos filhos vêm de vós, mas não são vossos".


Quanta oração jogada ao vento,/

e quanto vento a jogar orações/

no despenhadeiro de ouvidos moucos./


Não me interessa que horas são./

Nem qual seja a oração da hora certa./





56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pequeno burguês de esquerda

Certa vez, um comentarista do Blog de Carlos Santos, pensando me agredir, chamou-me de ex-comunista. Eu respondi confirmando, para desencanto dele. Disse, na época, que concordava com a afirmação. E q

Desaforismos ao pé do chope.

I- Se em cada cabeça, uma sentença; em cada bunda, uma sentada. II- Tolstói disse que "certas pessoas ao entrarem numa floresta, só veem lenha para a fogueira". Hoje, muita gente olha para para a mu

A tribuna da defesa...

...no processo criminal. Não há hierarquia entre Juiz, Promotor e Advogado. Nenhuma hierarquia. Todos iguais, essenciais e indispensáveis à administração da Justiça. Mesmo que algum juiz se imagine Al

bottom of page