top of page
  • Foto do escritorFrançois

"Pronde vai, Dadinha"?

Foi a pergunta que dona Zulmira fez, após assinar, na carteira, as férias da sua empregada doméstica.

“Tava pensando, dona Zulmira, num passeio pela Venezuela”. A patroa estranhou: “Venezuela, criatura, por quê”? Dadinha não teve dúvida. E explicou que foi o país mais citado na televisão, nos intervalos das novelas, que Dadinha não perde nenhuma. “Mas num posso mais”.

Dono Zulmira quis saber a razão dela não mais poder ir à Venezuela. E Dadinha explicou: “Seu Guedes disse qui nóis, do lar, num pode mais sair do Brasil. Intão eu acho que vou pra Grugueia, lá no Piauí”. “Gurgueia, Dadinha”, corrigiu dona Zulmira.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page