top of page
  • Foto do escritorFrançois

"Pronde vai, Dadinha"?

Foi a pergunta que dona Zulmira fez, após assinar, na carteira, as férias da sua empregada doméstica.

“Tava pensando, dona Zulmira, num passeio pela Venezuela”. A patroa estranhou: “Venezuela, criatura, por quê”? Dadinha não teve dúvida. E explicou que foi o país mais citado na televisão, nos intervalos das novelas, que Dadinha não perde nenhuma. “Mas num posso mais”.

Dono Zulmira quis saber a razão dela não mais poder ir à Venezuela. E Dadinha explicou: “Seu Guedes disse qui nóis, do lar, num pode mais sair do Brasil. Intão eu acho que vou pra Grugueia, lá no Piauí”. “Gurgueia, Dadinha”, corrigiu dona Zulmira.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Povo e o fascismo pentecostal

Um milhão de pessoas na rua, numa manifestação, não é Povo. Nem dez milhões, nem cem milhões. É Massa. Merece respeito? Sim. Mas não é povo. Povo é o conjunto de todos de um país, cada um compreendido

Pequeno burguês de esquerda

Certa vez, um comentarista do Blog de Carlos Santos, pensando me agredir, chamou-me de ex-comunista. Eu respondi confirmando, para desencanto dele. Disse, na época, que concordava com a afirmação. E q

Desaforismos ao pé do chope.

I- Se em cada cabeça, uma sentença; em cada bunda, uma sentada. II- Tolstói disse que "certas pessoas ao entrarem numa floresta, só veem lenha para a fogueira". Hoje, muita gente olha para para a mu

bottom of page