top of page
  • Foto do escritorFrançois

Rifa macabra

Isso não é um governo. É uma rifa clandestina entre amigos e sicários da população, posto que dos atos e omissões o resultado foi a mais cruel mortandade populacional da história do Brasil.


Amigos civis e militares, paisanos e fardados. Fardados da ativa e da reserva. E comandantes melindrados, que não aceitam a citação de mácula nos seus, intocáveis, sob pena de ameaças às instituições e à sociedade civil. Tudo com os peitos empanzinados de medalhas; de batalhas inexistentes, de guerras nunca lutadas, de heroísmo de fancaria.


Um general da ativa, tri-estrelado, reúne-se com um condenado por fraude, em 2014, pela Justiça Federal, para comprar vacinas da China, que eles renegam, por preço super faturado, após dizer na CPI que nunca se reuniu com qualquer empresa. Talvez tenha dito a verdade, não era um empresa. Era uma quadrilha. Todos recebidos com pompa e circunstância no gabinete do arrogante general.


Estamos todos no aguardo da próxima nota do general Braga Neto, o mesmo que comandou uma operação excepcional no Rio de Janeiro, cujo resultado foi ser zoado por milicianos e traficantes. Deixou o Rio igual ou pior do que estava. Esperemos a nota...

48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

コメント


bottom of page