• François

Rinaldo Barros

Atualizado: 6 de Fev de 2020

Soube há pouco do falecimento de Rinaldo Barros. Da militância estudantil e clandestinidade. Estivemos presos numa mesma cela da Colônia Penal, quando as celas de castigo dos presos comuns foram transformadas em prisão política.

Deu-se esse fato com a chegada em Natal de presos políticos condenados em Recife. Rinaldo e eu estávamos entre eles.

Nunca perdemos o contato. Tempos depois nos encontramos, na campanha e no governo Wilma de Faria.

Era um sociólogo muito inteligente, bem humorado e feitor de amigos. Saudade.

Tempos terríveis de ilusões perdidas e sonhos quebrados pelo caminho.

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O rinoceronte acoelhou-se

Pois é. O valentão de dois dias atrás virou coelho, quando lhe apertaram os colhões. Essa tchurma não engana. Tudo valentia de ocasião, esperando que as armas ostensivas e os músculos bombados imponha

O oitão do cajá

O Cajá era um sitio minimalista, de propriedade de minha avó, onde morava seu Bendito do Cajá. Nunca soube do seu sobrenome, conhecido era ele pelo pós nome do sitio onde morava. O sítio era tão sem g

Picaretagem interrompida?

Onde e por quem demonstra a maluquice do país, do qual alguém já disse há muito tempo: "No Brasil não será surpresa se um dia a Sexta Feira da paixão cair numa Terça Feira de carnaval". A que me refir