• François

Rubão, Rubinho

E por falar em Ditadura lembrei de Rubens Lemos, o Rubão, jornalista, boêmio, radialista, tarado por futebol e samba. Poderia ter tido uma vida suave, no mundo dessas suas paixões.

Mas não. Uma paixão maior entortou sua vida. A paixão pela liberdade, pela solidariedade e pelo amor ao seu país. Era o Taka, do PCBR, codinome de um voluntário numa luta inglória. Não pela derrota anunciada, mas pela bosta de democracia em que desaguamos.

"Sobem morros/ descem rios/ barba e vida por fazer". Esses versos não são de Vandré. Mesmo estando numa canção dele. Estavam os dois, Vandré e Rubens, exilados no Chile. Vendo-os, Vandré perguntou a Rubão se poderia usá-los. Não só autorizou, como dispensou o crédito. Rubão me contou. Algum tempo depois, perguntei a Vandré e ele confirmou. Pouca gente sabe disso.

Uma das alegrias que tive nos últimos tempos da nossa imprensa foi ver a convocação de Rubinho para compor o quadro de colunistas da Tribuna do Norte. Um time de craques.

Rubinho está tecendo a delícia dos leitores de Futebol. Coisa da sua paixão e do seu prazer. Mesmo que trate do que mais gosta, também é do que mais sofre. Sabe tudo de Futebol em todos os tempos, é o prazer. Torce pelo ABC e pelo Vasco, é o sofrimento!

44 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que falta acontecer neste país brutalizado, estuprado e descido à condição de submundo do crime oficial. Crimes de Estado. Após chacina em favela do Rio, com aplausos de Bolsonaro, esse genocida cot

Qual a relação? Me veio à memória os tempos idos da Casa do Estudante. Lá cheguei vindo do Colégio Diocesano Seridoense, de Caicó. Caicó me abriu uma janela pro mundo, pelo CDS; a Casa do Estudante me

...da derrota de Bolsonaro. É Lula? Não. Lula sabe que nada está definido. Eleição e mineração só depois da apuração. Lição do velho pessedismo dos tempos saudosos do Brasil ingênuo e democrático. Inc