• François

Sobre o papo com Vlado

Essa conversa com Vladimir Carvalho, craque da cinematografia nacional, foi um momento descontraído em que abusei da sua gentileza para tratar de um assunto marcante na sua vida de cineasta e denunciador de um período de trevas da vida política nacional.


Tudo muito informal, sem pretensão de registro esmerado, mas Raíssa aproveitou para marcar o momento. E conseguiu. Mesmo que a descarga de bateria de um celular tenha interrompido o relato do cineasta, serve para chamar a atenção dos interessados nesse evento terrível que foi a filmagem de "Cabra Marcado para Morrer". Filmagem, censura, violência, ditadura. E nunca é excesso a relembrança dessa nojeira. Nunca. E se incomodar, melhor ainda. É preciso incomodar, para não esquecer.


Truncado, mesmo assim, o registro marca duas lembranças. A principal, o relato de Vlado. A outra, para mim, também principal, a fotografia desse encontro. Com essa figura excepcional de brasileiro, que é Vladimir Carvalho. Valeu, Raíssa. E Vladimir, acertadamente, chama-a de colega.

47 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rifa macabra

Isso não é um governo. É uma rifa clandestina entre amigos e sicários da população, posto que dos atos e omissões o resultado foi a mais cruel mortandade populacional da história do Brasil. Amigos civ

As tripas de um país fecal

Cujo presidente dá um susto nos aliados ao ter interrompida a tripa cagaiteira. Pois pois, como diria um português de Lisboa. "Ô pá, lamento, mas se todo mundo morre um dia, como disse o próprio gajo,

Só Cagão? Não...

Azarão também. Cagou para a CPI e azarou a Seleção. Onde Bolsonaro põe a torcido o azar hospeda-se junto. Torceu pro Trump, Trump lascou-se. Torceu na eleição da Bolívia, a esquerda venceu. Torceu pel