• François

Um alienado moderno

Calma, não me refiro ao capitão e muito menos ao general. Esses são alienados jurássicos. Eles e seus adoradores.

Refiro-me a um sujeito que viveu e vive intensamente. Que leu razoavelmente bem, mesmo não o suficiente. Que esteve presente nos tempos da Ditadura nojenta. E aliou-se aos que resistiram. Denunciou o espectro infernal onde a nojeira da tortura infectava de sangue e sêmen o útero fedido dos seus cárceres.

Pois bem. Quem é? Sou eu. Sou confessadamente um alienado moderno. E provo.

Só hoje conheci Felipe Neto. E se é dia de confissão, pois todo dia agora é Domingo, confesso. Foi uma agradabilíssima surpresa. Meu neto, seu xará, já o conhecia de longa data. E o seguia.

Felipe Neto me aparece feito Sinésio, o alumioso. Entrando em Taperoá, ao meio-dia, no Romance da Pedra do Reino. Que figura. Inteligente, fluente, simples, antenado e convincente.

Sou ou não sou um alienado moderno? O jeito é desalienar-me. Ensinou o sábio chinês que só envelhece quem perde a capacidade de amar, de aprender e de revoltar-se.

62 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O rinoceronte acoelhou-se

Pois é. O valentão de dois dias atrás virou coelho, quando lhe apertaram os colhões. Essa tchurma não engana. Tudo valentia de ocasião, esperando que as armas ostensivas e os músculos bombados imponha

O oitão do cajá

O Cajá era um sitio minimalista, de propriedade de minha avó, onde morava seu Bendito do Cajá. Nunca soube do seu sobrenome, conhecido era ele pelo pós nome do sitio onde morava. O sítio era tão sem g

Picaretagem interrompida?

Onde e por quem demonstra a maluquice do país, do qual alguém já disse há muito tempo: "No Brasil não será surpresa se um dia a Sexta Feira da paixão cair numa Terça Feira de carnaval". A que me refir