top of page
  • Foto do escritorFrançois

Um alienado moderno

Calma, não me refiro ao capitão e muito menos ao general. Esses são alienados jurássicos. Eles e seus adoradores.

Refiro-me a um sujeito que viveu e vive intensamente. Que leu razoavelmente bem, mesmo não o suficiente. Que esteve presente nos tempos da Ditadura nojenta. E aliou-se aos que resistiram. Denunciou o espectro infernal onde a nojeira da tortura infectava de sangue e sêmen o útero fedido dos seus cárceres.

Pois bem. Quem é? Sou eu. Sou confessadamente um alienado moderno. E provo.

Só hoje conheci Felipe Neto. E se é dia de confissão, pois todo dia agora é Domingo, confesso. Foi uma agradabilíssima surpresa. Meu neto, seu xará, já o conhecia de longa data. E o seguia.

Felipe Neto me aparece feito Sinésio, o alumioso. Entrando em Taperoá, ao meio-dia, no Romance da Pedra do Reino. Que figura. Inteligente, fluente, simples, antenado e convincente.

Sou ou não sou um alienado moderno? O jeito é desalienar-me. Ensinou o sábio chinês que só envelhece quem perde a capacidade de amar, de aprender e de revoltar-se.

62 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Povo e o fascismo pentecostal

Um milhão de pessoas na rua, numa manifestação, não é Povo. Nem dez milhões, nem cem milhões. É Massa. Merece respeito? Sim. Mas não é povo. Povo é o conjunto de todos de um país, cada um compreendido

Pequeno burguês de esquerda

Certa vez, um comentarista do Blog de Carlos Santos, pensando me agredir, chamou-me de ex-comunista. Eu respondi confirmando, para desencanto dele. Disse, na época, que concordava com a afirmação. E q

Desaforismos ao pé do chope.

I- Se em cada cabeça, uma sentença; em cada bunda, uma sentada. II- Tolstói disse que "certas pessoas ao entrarem numa floresta, só veem lenha para a fogueira". Hoje, muita gente olha para para a mu

bottom of page