top of page
  • Foto do escritorFrançois

Um general capacho

Uma enxerga de três estrelas que nem o kaol consegue polir para fazê-las brilharem. Capacho rústico à disposição de Bolsonaro para limpar as botas, mesmo sujas com bosta de cavalo. E o pior, com sangue de centenas de brasileiros.


"Eu que decidia, nunca recebi ordens do presidente". É uma mentira tão descarada, tão sem-vergonha que deve deixar ruborizado o alto comendo do Exército. Taí nos áudios da internet. Vou relembrar: Alguém do cercadinho das cabras, onde Bolsonaro deita e rola-bosta falação, pergunta: "Presidente, o ministro da saúde disse que assinou a compra (sic) de vacinas da China". Bolsonaro responde. "Se assinou já mandei cancelar, sou eu quem manda". E continuou: "O dinheiro é meu, que sou o chefe do governo". Tá nas redes.


Depois, foi visitar o capacho no hospital. E a enxerga de três estrelas com riso de serviçal declarou: "Um manda e outro obedece". Pois foi. O que manda mandou e o capacho agora lhe limpa as botas. Só que o cheiro de merda não sai.




55 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page