• François

Paredões e o veto caviloso

Pensei que teria um bom intervalo para criticar o governo Fátima Bezerra. Enganei-me. Após a portaria "corona", exigindo prova de "risco" para não dar expediente presencial, vejo nova decisão incompreensível. Pra não usar um adjetivo ferino, porém apropriado.


A Assembleia Legislativa aprovou uma Lei de indiscutível interesse público, proibindo paredões de som em determinados lugares e incertas horas. Essa coisa monstruosa que torna torna uma geração, a atual, em futuros surdos. Sem falar no desassossego das pessoas, com essa barulheira infernal que toma conta das ruas, praças e orla num verdadeiro inferno sonoro. Sem cautela de locais ou horário. Pode ser perto de hospitais, escolas ou residências. A Lei aprovada reduzia esse crime ambiental.


O que faz a Governadora? Vetou a Lei. Sob o argumento caviloso e suspeito de que isso é "matéria de competência municipal". Uma justificativa bisonha e sem cerimônia. Os municípios podem e devem legislar sobre isso, mas não o fazendo há competência concorrente, comum e suplementar do Estado. Ponto final.


A pergunta é: O que há de escuso e escuro nesse veto?

35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rifa macabra

Isso não é um governo. É uma rifa clandestina entre amigos e sicários da população, posto que dos atos e omissões o resultado foi a mais cruel mortandade populacional da história do Brasil. Amigos civ

As tripas de um país fecal

Cujo presidente dá um susto nos aliados ao ter interrompida a tripa cagaiteira. Pois pois, como diria um português de Lisboa. "Ô pá, lamento, mas se todo mundo morre um dia, como disse o próprio gajo,

Só Cagão? Não...

Azarão também. Cagou para a CPI e azarou a Seleção. Onde Bolsonaro põe a torcido o azar hospeda-se junto. Torceu pro Trump, Trump lascou-se. Torceu na eleição da Bolívia, a esquerda venceu. Torceu pel