• François

Paredões e o veto caviloso

Pensei que teria um bom intervalo para criticar o governo Fátima Bezerra. Enganei-me. Após a portaria "corona", exigindo prova de "risco" para não dar expediente presencial, vejo nova decisão incompreensível. Pra não usar um adjetivo ferino, porém apropriado.


A Assembleia Legislativa aprovou uma Lei de indiscutível interesse público, proibindo paredões de som em determinados lugares e incertas horas. Essa coisa monstruosa que torna torna uma geração, a atual, em futuros surdos. Sem falar no desassossego das pessoas, com essa barulheira infernal que toma conta das ruas, praças e orla num verdadeiro inferno sonoro. Sem cautela de locais ou horário. Pode ser perto de hospitais, escolas ou residências. A Lei aprovada reduzia esse crime ambiental.


O que faz a Governadora? Vetou a Lei. Sob o argumento caviloso e suspeito de que isso é "matéria de competência municipal". Uma justificativa bisonha e sem cerimônia. Os municípios podem e devem legislar sobre isso, mas não o fazendo há competência concorrente, comum e suplementar do Estado. Ponto final.


A pergunta é: O que há de escuso e escuro nesse veto?

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mais uma ideologia abatida

E eu deixando mais uma fora das minhas crenças. Qual? O anarquismo, a graciosa ideologia de Bakunin e de Proudhon. Era o anarquismo uma espécie de segundo time, onde desaguavam todas as tendências pro

Aplauso

Não tenho alinhamento automático com nenhum partido ou grupo ideológico da atual vida nacional. Nenhum. Situo-me na posição de esquerda independente, abominando todo e qualquer tipo de fundamentalismo

Padre Tércio...

...mais um desmanche do passado. E como dói. Não doem os músculos nem o coração, é o passado que dói. Quando cheguei ao Ginásio Diocesano Seridoense, que depois virou Colégio, em 1961, o diretor era M